30/11/2018 às 18:32

Assessor da Fecomércio/AC analisa alta na confiança empresarial

O estudo da CNC mostrou, ainda, que as intenções de contratação aumentaram 2,9% em novembro.
CNC O estudo da CNC mostrou, ainda, que as intenções de contratação aumentaram 2,9% em novembro.

A razão para a alta da confiança empresarial vem após a definição das eleições presidenciais e a possível redução de níveis de incerteza econômica. A opinião é do assessor da presidência para assuntos econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC), Alex Barros, após divulgação do Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), que alcançou 109,8 pontos em novembro, 1,4% a mais quando comparado com o mês de outubro.

A pesquisa, que também revela a intenção de contratação por parte de 70,1% dos entrevistados, o maior patamar para meses de novembro desde 2014, aponta que, entre os componentes integrantes nas avaliações das condições correntes, a economia apresenta, ainda, o maior grau de insatisfação (63,0 pontos). Mesmo assim, embora as percepções quanto ao momento atual da economia e do comércio ainda sejam predominantemente desfavoráveis, o subíndice que mede a satisfação com o nível atual de atividade (Icaec) voltou a crescer no curto prazo (+0,3% ante outubro).

Para Barros, este seria um reflexo tanto da queda do desemprego quanto da perspectiva do cenário econômico liberal que se desenha com o novo governo. O assessor comenta que, apesar do crédito ainda estar restrito, a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), demonstra a tendência no crescimento das vendas, com base na análise histórica do índice.

“Na verdade, o empresário espera muito do novo governo, já que 38,2% dos entrevistados disseram que a economia brasileira piorou muito; porém, 34,7% dizem ter a expectativa que a economia brasileira melhorará muito. Outros dois fatores indicam essa expectativa favorável: aumento dos estoques e contratação de pessoal”, explicou Alex Barros.

O estudo da CNC mostrou, ainda, que as intenções de contratação aumentaram 2,9% em novembro.