20/10/2015 às 14:53 - Atualizado em 02/02/2018 às 16:37

Campanha “Não à Novos Impostos” é apresentada à população e empresários

Funcionários da Fecomércio/AC foram às ruas distribuir panfletos e adesivos da campanha “Não à Novos Impostos” para empresários e população em geral nesta terça-feira (20). O objetivo é sensibilizá-los sobre a atual situação vivida pelo País com a crise que atinge todas as pessoas e instiga-las à juntarem-se à campanha.

O Brasil possui uma das mais elevadas cargas tributárias do mundo, que passa dos 35% do Produto Interno Bruto (PIB) e por isso, nas ruas não é difícil encontrar pessoas insatisfeitas com tantos impostos pagos. O taxista, Manoel Leôncio se diz prejudicado com tantos tributos que precisa pagar. “Aqui a gente tem tanta taxa, a gasolina que só aumenta, é licença pra circular, pagamos impostos e mais impostos que a gente já nem sabe mais o que tanto paga, tá ficando cada dia mais difícil trabalhar”, finaliza.

Para o empresário, Milton Augusto, a criação de novos impostos significa uma dificuldade ainda maior para quem está tentando consolidar um negócio. “É complicado, para os empresários isso reflete em demissões. A gente tenta manter os funcionários, mas se essa CPMF for aprovada, a crise tende a piorar, não é justo com o povo”, lamenta.

A campanha “Não à Novos Impostos” foi lançada na última sexta-feira (16), pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Acre (Fecomércio/AC) que é contra aumento de impostos e a volta da CPMF (Contribuição Promissória Sobre Movimentação Financeira) incluídos no pacote fiscal do governo federal, agora sob análise do Congresso Nacional.

Para o presidente da Fecomércio/AC, Leandro Domingos, a população já está pagando mais impostos do que pode suportar. “O que se paga de impostos no Brasil está acima da capacidade contributiva da população, ocasionando falta de poupança capaz de gerar o crescimento, tanto das pessoas quanto das empresas. O resultado é falta de investimentos, baixa produção e produtividade, além de deixar insatisfeitos, todos os agentes envolvidos”, destaca o presidente.