28/05/2018 às 13:17

Fecomércio/AC alerta empresários na prevenção de acidentes de trabalho

O superintendente do MTE/AC, Taumaturgo Lima, explica que o número pode ainda ser superior, visto que algumas empresas não chegam a informar os dados
Ascom/Fecomércio O superintendente do MTE/AC, Taumaturgo Lima, explica que o número pode ainda ser superior, visto que algumas empresas não chegam a informar os dados

Quase 20 mil empresas brasileiras foram autuadas, em 2017, por falhas na prevenção de acidentes, segundo dados do Ministério do Trabalho. Por conta do alto índice, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) alerta aos empresários locais quanto às normas básicas de segurança para pleno funcionamento dos estabelecimentos.

De acordo com dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego no Acre (MTE/AC), em 2017, foram registradas quatro mortes no ambiente de trabalho. O superintendente do MTE/AC, Taumaturgo Lima, explica que o número pode ainda ser superior, visto que algumas empresas não chegam a informar os dados.

“Para se ter uma noção, houve, apenas no Acre, 380 acidentes de trabalho no ano passado. No Brasil, 349.579. Esse número é considerado exorbitante, já que causa transtornos aos empregados, ao empregador e, obviamente, à família do empregado, que passa por situações difíceis enquanto a pessoa está afastada”, enfatiza o superintendente.

De acordo como Ministério do Trabalho, o não cumprimento das exigências do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, previsto na Norma Regulamentadora nº.7, seria o caso mais frequente registrado pela fiscalização. Em todo o Brasil, foram 9.517 estabelecimentos autuados. “Embora no Acre nós ainda não tenhamos esses dados, verificamos que alguns empresários não tenham, talvez não apenas o cuidado com isso, mas a informação necessária”, complementa Lima.

Parceria entre todos

Para Taumaturgo, deve haver, para evitar acidentes de maiores grandezas, uma verdadeira parceria entre órgãos fiscalizadores, empregadores, empregados e, também, a sociedade civil.

“Todos temos de zelar pelo bem comum: os empregadores tem sim de zelar e estarem atentos às normas; os órgãos fiscalizadores, verificarem e principalmente tirarem as dúvidas de empregados e empregadores; os empregados, devem tomar o devido cuidado ao longo do trabalho e, obviamente, a sociedade civil tem de zelar pelas dependências e instalações da empresa. Ao final, todos tem de estarem juntos”, finaliza