20/05/2016 às 13:20 - Atualizado em 02/02/2018 às 16:39

Fecomércio/AC lança campanha “Doe Órgãos, Doe Vida”

Com objetivo de aumentar a adesão das famílias acreanas à doação de órgãos, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Acre (Fecomércio/AC), em parceria com a Central de Transplantes do Acre, lançou nesta sexta – feira, 20, no auditório da instituição, uma campanha de conscientização sobre a importância da doação de órgãos.

De acordo com o presidente da Fecomércio/AC, Leandro Domingos, a iniciativa pode ajudar ainda mais a realização de cirurgias que salvam vidas e diminuem a permanência de pacientes em listas de espera. Domingos acredita que a doação é um gesto de nobreza, humanidade e demonstração de compromisso com a vida.

“É com esse sentimento que juntamos os esforços, juntamente com a central de Transplantes, para essa campanha de conscientização das famílias acreanas. Esperamos que aumente o numero de doares em nosso Estado e que, de alguma forma, possamos contribuir para que muitas vidas possam renascer”, enfatiza Domingos.

Ato de amor 

O auxiliar de serviços gerais Antônio Araújo da Silva recebeu, no último dia 7 de janeiro, o transplante de um rim. A cirurgia durou 10 horas e, hoje, ele comenta que tem dois aniversários e, com muita felicidade, que tem apenas quatro meses de vida nova.

Silva tinha cirrose hepática, e estava na fila para transplantes em São Paulo há sete anos. “Sou de Pauiní, no Amazonas, e vim para a fila de transplantes no Acre. Em apenas seis meses consegui minha vida nova”, diz.

O agricultor Valdir Miguel dos Santos, de Capixaba, diz não ter pensado duas vezes quando seu filho, de apenas 20 anos, sofreu um acidente e acabou tendo morte cerebral. “Somos muito religiosos, e pensamos que nosso filho ia continuar a viver em outras pessoas. Doamos os dois rins, o fígado e as duas córneas. Cinco vidas foram transformadas”, comentou, emocionado.

Transplantes no Acre

A Central de Transplantes do Acre, segundo a Associação Brasileira de Transplantes de órgãos (ABTO), está em 2º Lugar no ranking por milhão de habitantes nas notificações de morte encefálica desde 2012. O Acre, no cenário nacional, tem se mostrado grande potencial a ser desenvolvido. A dificuldade de maior relevância é a recusa familiar, 70%, sendo que no Brasil, esta média é de 44%.

A doação de órgãos é algo que não depende exclusivamente da decisão do doador, é preciso que haja consentimento familiar. A Central de Transplantes, em 10 anos, realizou 252 transplantes: 166 córneas, 76 rins e 10 fígados. E mesmo assim, 60 pessoas estão na lista de espera.

Para a coordenadora da Central de Transplantes, Regiane Ferrari, as campanhas educativas são importantes para orientar melhor a população sobre o procedimento dos transplantes. “O objetivo desta parceria, deste alcance social junto à Federação do Comércio, é justamente o de aumentar o alcance da campanha e, com isso, atingir mais pessoas e consequentemente aumentar o número de transplantes e melhorar a qualidade de vida das pessoas que estão na lista de espera hoje”, explica.

O secretário de Estado de Saúde do Acre,  Gemil Salim, acredita que doar órgãos é doar vida. "Quantas pessoas têm as vidas transformadas quando, após passar pelo procedimento, podem viver de modo mais tranquilo. O doador salva a vida de muitos, e o Acre é o único estado da Região Norte a realizar transplantes de rim, apenas para dar um exemplo do nosso potencial. Essa campanha vai realmente somar na vida de muitas pessoas", reflete.

A vice-governadora do Acre, Nazareth Araújo, disse que, durante o lançamento da campanha, ficou com o coração mais feliz. "Que continuemos com essa campanha, que sigamos com essa ideia e consigamos conscientizar as famílias", finalizou.