24/01/2019 às 17:36

Intenção de Consumo das Famílias registra alta, mas Acre não segue tendência, diz Fecomércio/AC

O assessor levanta ainda a questão do pagamento do 13 salário, fator que considera preponderante para que a intenção de consumo fosse comprometida.
CNC O assessor levanta ainda a questão do pagamento do 13 salário, fator que considera preponderante para que a intenção de consumo fosse comprometida.

Apesar de, nacionalmente, a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) ter registrado alta de 5,1% em janeiro de 2019, o Acre ainda não ocupa posição privilegiada, segundo avaliação do assessor da presidência da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Acre (Fecomércio/AC), Egídio Garó. A apuração, feita pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), afirma ainda que, mesmo com os bons registros, o limite é considerado insatisfatório.

Segundo Garó, os dados apontam que as famílias da Região Norte, notadamente as acreanas, não demonstram intenção de compras de maneira genérica. “Não pelo fato das perspectivas de criação de emprego e geração de renda, pela estabilidade inflacionária - que tende a alavancar o crédito, mas pela falta de fatores que permitiriam uma melhor apreciação, mesmo o Estado tendo uma redução de pouco mais de 100 postos de trabalho”, explica

O assessor levanta ainda a questão do pagamento do 13 salário, fator que considera preponderante para que a intenção de consumo fosse comprometida.

“A parcela não paga à uma gama de trabalhadores, mitigou tais anseios, haja vista que, para que haja intenção de consumo, deve-se observar a disponibilidade de recurso extraordinário, o que não ocorreu a uma parte da força de trabalho”, finaliza Garó.