01/06/2018 às 11:01

Projeto Sesc Dramaturgia terá primeira etapa 2018 no Acre

A oficina Negro Olhar propõe um caminho para entender como as referências de matriz africana interferem, permeiam, influenciam e auxiliam na construção de um corpo em cena, a partir da visão do mundo Bantu
Sesc/AC A oficina Negro Olhar propõe um caminho para entender como as referências de matriz africana interferem, permeiam, influenciam e auxiliam na construção de um corpo em cena, a partir da visão do mundo Bantu

O Serviço Social do Comercio no Acre (Sesc/AC) realiza a primeira etapa em 2018 do projeto Dramaturgias “Oficina Negro Olhar”, com Tatiana Tiburcio e Fábio Simões. A oficina acontece de 04 a 08 de junho, no horário das 18h às 22h, na sala de dança do Sesc Centro. As inscrições são abertas e as vagas, limitadas.

Idealizado pelo Departamento Nacional do Sesc, o projeto visa estimular a prática da leitura de textos teatrais, sejam eles inéditos ou consagrados pela dramaturgia nacional e mundial. A iniciativa objetiva instrumentalizar e chamar a atenção de diretores e atores para as potencialidades cênicas de uma determinada obra.

A proposta da atividade é estimular a criação da leitura dramática de peças infanto-juvenis, partindo do contato com a dramaturgia e da exploração das qualidades do corpo e da voz através da manipulação de objetos.

A Oficina

A oficina Negro Olhar propõe um caminho para entender como as referências de matriz africana interferem, permeiam, influenciam e auxiliam na construção de um corpo em cena, a partir da visão do mundo Bantu – maior tronco linguístico do continente africano e responsável por grande parte das referências de matriz africana no Brasil.

A atriz e coreógrafa Tatiana Tiburcio alia o conhecimento ancestral às referencias multiculturais e técnicas do grupo Amok Teatro, onde trabalha como atriz e atualmente também como coreógrafa do espetáculo Salina - A Última Vértebra.

O objetivo principal desta oficina é proporcionar uma experiência teatral nova, construída a partir de referências pouco ou não trabalhadas na formação artística, usando da dança de matriz africana e a dança dos orixás como ferramentas para trabalhar a expressão corporal. A oficina conta também com as participações de Fábio Simões e Flávia Souza.

Oficineiros

Tatiana Tiburcio é formada em Artes Cênicas pela Escola de Teatro Martins Pena e em História da Arte pela UERJ. Integrou Cia dos Comuns e atualmente integra o Amok Teatro. É idealizadora e coordenadora do projeto Negro Olhar - Ciclo de leituras dramatizadas com autores e artistas negros, pesquisadora e assistente de produção do programa O bagulho é doido.

Fábio Simões Soares é músico do Amok Teatro, diretor musical do espetáculo Salina – A Última Vértebra; lutier de instrumentos africanos, pesquisador de ritmos africanos e afrobrasileiros e escritor.